sábado, 2 de março de 2013

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Como surgiu o Ponto Cruz



Determinar a data exata do surgimento e quem teve esta ideia de ponto cruz é muito difícil.

Sua história vem desde a antiguidade, evidências confirmam que ele tenha surgido nos tempos dos Homens das Cavernas, os pontos em formato de cruz serviam para costurar as peles de animais e assim produzirem as roupas.
No antigo Egito, durante escavações arqueológicas, foram encontrados fragmentos de linho e neles havia o ponto cruz, que era usado para cerzir as roupas da época.
Os Romanos se referiam a essa arte como sendo uma espécie de "pintura com agulha".

Alguns historiadores dizem que ele surgiu na China, e depois veio para a Europa.
Os primeiros trabalhos parecidos com o ponto cruz foram encontrados por pesquisadores na Ásia Central cerca de 850 anos A.C.
Datam da Idade Média os primeiros trabalhos de ponto cruz na Europa, utilizado então para identificar as roupas dos ricos proprietários. A aparência do bordado era ainda muito rudimentar, com desenhos inspirados em brasões de família.

Já no período do Renascimento, o ponto cruz espalhou-se na Europa como símbolo da educação. Os monogramas eram usados de mãe para filha para alfabetização. Com o desenvolvimento desta técnica, o ponto cruz ganhou ares de decoração, graças à Igreja Católica.
No século XVI os bordados eram feitos com fios de seda ou de lã. Nesta época também surgiram os primeiros esquemas impressos na Alemanha e Itália, para serem vendidos na Europa. O primeiro livro publicado foi na França por volta de 1580, La Clé des Champs (A Chave dos Campos), trazendo motivos de flores e animais.
Somente no século seguinte, viajantes descobriram matérias primas nas colônias, pigmentos foram levados do Oriente e das Américas para a Europa e graças a eles, uma futura gama de cores se tornará possível.

Os motivos ganharam nova inspiração e vitalidade, levando os trabalhos às possibilidades de enriquecer a decoração, dar asas a criatividade e também valorizar a habilidade manual.
O resultado deste ponto mais parece uma pintura do que um bordado. É uma arte relaxante e que exercita a paciência.

Esta técnica pode ser aplicada em várias peças como: cartões, bolsas, capas para celular e tablet, imãs de geladeira, quadros, chaveiros, enxovais para bebê, capas de caderno, utensílios de cozinha, jogos de cama, mesa e banho. Enfim dá para fazer muita coisa com o ponto cruz.
Sem dizer na diversidade de gráficos que hoje encontramos. Tanto em revistas e livros como na internet, de onde tiro a maioria dos motivos.

fontes:

http://www.vocefazartesanato.com.br/fios/

http://wrartes.blogspot.com.br/

http://www.osabetudo.com

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Enxoval do Rafael

Este foi meu último trabalho: fraldas e toalhinhas, que fiz para meu sobrinho, ele nasceu dia 08.
O tema escolhido para as peças foram bichinhos selvagens. As minhas preferidas são a da girafa e a do camelo. E a sua?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...